<$BlogRSDUrl$>
.

HitdaBreakz

1/13/2008

Oh no, it's disco!


James Murphy teve um ano em cheio: “Sound of Silver” coroou 2007 da melhor maneira, mas como se não bastasse há ainda que contabilizar 45:33 e a entrada número 36 na espantosa série FabricLive.

LCD SOUNDSYSTEM 45:33 DFA/EMI-VC 5/5
JAMES MURPHY & PAT MAHONEY FabricLive. 36 Última/Fabric 5/5



Ouvir 45:33 todos estes meses depois da sua apresentação no iTunes com a chancela da Nike só reforça a ideia inicial de puro génio. E agora, com os excertos posteriormente usados em Sound of Silver devidamente contextualizados, a imagem torna-se nítida: o desafio da gigante corporação de material desportivo pode ter sido lançado com a ideia de obter três quartos de hora de banda sonora para joggers rendidos à era do iPod, mas James Murphy tratou a matéria-prima essencial do seu segundo álbum (alguns temas devidamente despidos de vozes) como combustível para um mini-set de Disco. As marcas estão todas lá: o crescendo, as vozes eufóricas como apontamentos repetitivos, a pausa um pouco antes da meia hora para preparar o clímax e depois a calma que chega a menos de 10 minutos do fim, como o encerrar de uma noite gloriosa na pista de dança. Claro que a escala – 45 minutos apenas – não favorece a ideia de viagem que um set implica e sob esse aspecto particular FabricLive 36 adequa-se um pouco melhor (ultrapassa os 70 minutos…) a ilustrar a paixão de James Murphy (aqui com o baterista Pat Mahoney) pelo lado mais oblíquo do Disco.
A encomenda do clube Fabric é aproveitada para Murphy encenar mais uma sentida homenagem a Nova Iorque. Não a uma Nova Iorque real, mas a uma Nova Iorque imaginada onde as noites do Loft ainda perduram e o Disco é campo de experimentação suficientemente amplo para acolher Donald Byrd e Larry Levan, Mudd e Daniel Wang os Was (not Was) e, claro, os LCD Soundsystem. Saltam-se épocas e sensibilidades sem nunca privar as colunas de música de refinado carácter lúdico que apesar de ser pensada com um propósito muito específico nunca rejeita a sofisticação e a liberdade de formas. Estamos na presença dos faróis que guiaram James em Sound of Silver ou que pelo menos inspiraram todas aquelas fabulosas linhas de baixo que injectam sinuosidade nas canções que elevaram a colheita 2007 dos LCD Soundsystem à categoria de futuro clássico. De certa maneira, ouvir este FabricLive.36 é o equivalente de espreitar para dentro da cabeça de James Murphy. Continua-se sem perceber como funciona, mas percebe-se claramente porque se mexe.

Texto publicado originalmente no número 19 da revista Blitz.