<$BlogRSDUrl$>
.

HitdaBreakz

10/30/2004

DIGGIN.PT: ANANGA RANGA




Já há algum tempo que eu andava para escrever sobre os Ananga Ranga, uma banda de jazz rock que, praticamente sózinha, preencheu em Portugal o espaço aberto internacionalmente por projectos como os Headhunters de Herbie Hancock, a fase eléctrica de Miles Davis e as aventuras discográficas de homens como George Duke. Embora, talvez, não fosse essa a sua intenção original, pois quando se formaram em 1976, os Ananga Ranga perseguiam mais ostensivamente a sonoridade dos seus ídolos como os Manfred Mann ou os Camel.
Com o nome emprestado de um códice sexual oriental semelhante ao Kama Sutra, os Ananga Ranga incluiam o ex-Aranhas Luís Firmino (e ora aí está mais um grupo para descobrir), Manuel Barreto (voz), Necas (bateria), Vasco Alves (baixo) e outros músicos como Manuel Garcia (saxofone) ou Alfredo Nascimento (percussão).

Os Ananga Ranga começaram por gravar uns singles que, reza agora a história, não eram representativos da direcção que queriam seguir e que títulos como Disco Sound ajudam a explicar porquê... Mas com a gravação do primeiro álbum, Regresso às Origens, com a participação do violinista Carlos Zíngaro (hoje um reputado músico a nível internacional no circuito das vanguardas), o grupo ficou mais livre para criar o tipo de som que realmente desejava.
Seguiram-se concertos e até participações em programas de televisão, como o mítico Soltem o Rock (estamos a falar de 1980) ao lado de gente como os Tantra, Arte & Ofício ou Rão Kyao.
O segundo LP, Privado (editado igualmente pela há muito extinta Metro-Som), que é o que aqui nos trás, conseguiu realizar mais plenamente as ambições do grupo. Tem melhor som e os temas são bem melhor conseguidos. E títulos como Lots of Miles Ahead não enganam quanto à direcção que o grupo queria tomar.
Para os diggers, o lado mais interessante é provavelmente o lado 2, onde as preocupações jazz-rock tomam definitivamente conta dos arranjos. Claro que há muitos floreados e solos de mil notas por segundo, mas isso fazia completamente parte da fórmula. Ainda assim, os Ananga Ranga revelam ter perfeita noção do groove e os músicos são de grande qualidade. Nos excertos aqui apresentados, percebe-se que os Ananga Ranga dominavam até as ferramentas obrigatórias da época, com boa acção de Rhodes e de sintetizadores como o Moog a dominar algumas das faixas, com perfeita noção de encaixe no groove. As linhas de baixo são musculadas e fluídas e, embora não haja nenhum break no sentido que o diggin' lhe atribui, há um solo de bateria no arranque de um tema com alguns pedaços interessantes pelo meio.
Ambos os álbuns dos Ananga Ranga são muito procurados lá fora por coleccionadores de Prog alcançando já preços interssantes. E mesmo dentro de portas não é um disco barato e não é fácul apanhá-lo nas feiras. Experimentem a Discolecção e deverão, certamente ter mais sorte.

Ananga Ranga excerto áudio # 1
Ananga Ranga excerto áudio # 2
Ananga Ranga excerto áudio # 3
Ananga Ranga excerto áudio # 4

Tema para download: Fonky Fonky